[Review] Comentando o Episódio 9.14 – “Captives” de Supernatural

Notícias
sexta-feira, 28 fevereiro 2014 1516 Views 10 Comments
[Review] Comentando o Episódio 9.14 – “Captives” de Supernatural
Sua opinião importante. Deixem seus comentários no final da página.
Valeu muito a pena esperar os exatos e cruéis 14 dias/ 2 semanas/ 336 horas/ 20.160 minutos, /120.960 segundos de Hiatus, pois nos depararmos com um episódio digno de Supernatural! 

“Captives” é o segundo episódio de Supernatural dirigido por Jerry Wanek (foto), que é oficialmente Designer de produção da série e estreou na direção em 7.13 – “Slice Girls”, onde Dean se envolve com uma mulher que conhece no Bar que engravida e dá a luz rapidamente. O Roteiro ficou a cargo de Robert Berens (foto), que estrou como escritor da série na atual temporada no episódio 9.06 – “Heaven Can’t Wait”, onde vimos Cass tentando sobreviver como Humano.
 
                           Jerry Wanek (Diretor)                     Robert Berens (Escritor)

A produção arregaçou as mangas já na cena inicial onde uma misteriosa movimentação entre os cômodos do Bunker acorda Dean que assustado, grita por Sam. Um vulto fantasmagórico emana em direção de Sam e Dean o dispersa, ambos chegam a conclusão de que o Bunker está assombrado. Tratando-se do local mais seguro contra o sobrenatural, questão essa que indaga os irmãos. Eis que após a primeira surpresa, a cena ganha seu ápice com uma possibilidade inimaginável sequer para os irmãos, confirmada pela quebra de uma xícara: o espírito de Kevin!

Esse pontapé inicial evidencia o ritmo dinâmico que permeou todo o episódio de forma direta com qualidade, sem “por o Impala na frente dos bois”, trazendo satisfação em cada segundo da película com aquele clima de suspense e surpresas logo nos primeiros minutos.

 
 
    
 

O talento como Designer de Produção de Jerry sobressai-se na cena seguinte onde Cass entra em cena com a bela fotografia como “Background”(Pano de fundo) no  Cemitério onde apesar de apenas por segundos a direção primorosa emprega certa beleza ao momento Fúnebre com a paisagem esbanjando harmonia entre cada objeto que compõe o ambiente que se complementam sem ofuscar o outro com carros, lápides e árvores perfiladas aleatoriamente, preenchendo-o com um bonito contraste de cores distintas como o Preto dos trajes, o verde da vegetação e o céu nebuloso.
Além disso os enquadramentos estão precisos, como quando Castiel e Eliah (Dustin Schwartz) conversam entre arvores ou Cass ao ser encurralado pelos asseclas de Bart e ainda no escritório do mesmo.

  
 

Castiel “enquadra” Eliah que afirma que Bartholomew tirou a vida de Rebecca, antiga aliada de Metatron que após a queda fez parte de um grupo de anjos penitentes, inerentes a guerra que se trava pelas facções, enquanto Dean expõe seu sentimento de culpa a Kevin, esperando ser ouvido em um momento vibrante para os fãs que resulta na a materialização da imagem de Kevin!

Mantendo a dinâmica dos fatos constante, Kevin pede aos irmãos que encontrem sua Mãe que na tentativa de encontra-la, descobriu que ela está viva. A Produção merece Palmas, pois apesar de sabermos que o céu estava fechado para que sua alma fosse a seu destino, jamais cogitamos a hipótese com o impacto de sua morte, “selada” com o funeral de caçador feito por Dean, empregando muita força ao momento, coroado com a voz de Kevin ecoando após sua aura evanescer.. a “cereja do Pudim”.

   
 
    

Enquanto Bart convoca a presença de Castiel, Sam e Dean passam a noite de campana em busca de contato com Candy (Linda Roesler), a última testemunha que antes de morrer, viu Sra Tran viva, seguindo as informações de Kevin. Aliás, mesmo em pleno Véu, distante de tudo e todos, inclusive do Céu, Kevin demonstra ter sido uma perda irreparável com seu carisma em cena, determinado, perspicaz e inteligente como sempre, não deu margens para o drama e focou-se no que de melhor sabe, sim, sabe pois continua demonstrando isso mesmo após a morte, com suas imortais características que o tornam tão especial entre os fãs e para a série. Sentiremos falta dele.

 
   

A alternância entre os Plots de Cass e os Irmãos ficou bem interessante, mantendo o ritmo fluente e entrando na hora certa, não deixando a chapa esfriar com o tom burocrata proveniente das cenas de Bartholomew em seu escritório celestial.

Um ótimo recurso da direção que contribuiu muito para manter as arestas equilibradas e que ainda aproveitou o para incluir na tentativa de persuasão de Bart, menções a laços que uniam os anjos em suas missões, bem como inveja de Bart por Cass como parte da motivação de sua ambição implacável. “O recheio do Pudim” que não esperávamos mas agradecemos de boca cheia.

 
  
 

Todo o Plot dos irmãos desde o começo do episódio remeteu a tempos áureos, cada vez mais resgatados na série, ainda que em doses homeopáticas, cada episódio novo essa estatística apenas se faz mais presente, especialmente nos episódios Fillers que vem se tornando relevantes e apreciáveis, afinal, diversão também é um elemento constantemente presente nessa receita de sucesso.

Foi bom ver Sam levar cutucada de Dean a caminho da pista de Candy no carro. Uma perspicaz indireta da parte de Dean mostrando ao irmão que ficar na mecânica superficial do trabalho em parceria, apenas limita fluxo do negócio da família.

Felizmente Sam apenas se calou, evitando discussões fora de hora, que destoariam do foco da trama, mas sobretudo por que já era hora de termos um momento em que Dean estivesse com a razão, tendo a última palavra nesse assunto. Irmãos mais velhos também podem ter razão, Sammy!

 
   

A interação entre Cass e Bart se desenvolveu bem numa tensão crescente acerca do que Bart estaria planejando já que, diferente de Malachi (ou Moloch) e até de Naomi, Bart é mais articulado, comedido e acima de tudo um estrategista (persuadir um reverendo e sua legião de fervorosos para conseguir o consentimento dos receptáculos, foi um plano bem eficaz, praticamente a altura de Crowley) tornando-se mais imprevisível e consequentemente perigoso, mantendo quase sempre o mesmo semblante desprovido de emoções evidenciando apenas sua postura superior graças também a eficiente atuação de Adam Harrington.

“Eu não Concordo!”Castiel

“Não estou lhe pedindo para concordar.” – Bart.
    

Quando o próprio Cass começa a temer por sua segurança, com tudo a favor de ser encurralado, Bart propõe uma União contra Metatron. Enquanto isso, Dean e Sam encontram um local suspeito e vão averiguar. O lado “Nerd” de Sam acerta novamente e ele encontra finalmente a mãe de Kevin, mas infelizmente acaba trancafiado com ela e Dean dominado. Encontra-la foi um momento vibrante, já que na cena anterior não fica claro o destino da Mãe do Profeta.

Apesar de toda lábia quase política de Bart, Nenhum Anjo enganaria Cass duas vezes. Ciente disso, Bart o levou a seu “QG” e o tentou a aceitar sua oferta colocando a disposição todos os muitos recursos que tinha para rastrear Metatron, mas o coloca entre a cruz e a espada obrigando-o a matar um “Anjo Rebelde” como preço.

 
  
  

Linda Tran (Lauren Tom), a divertida mãe do profeta é um dos personagens secundários mais carismáticos que a série nos trouxe e confesso que torcia muito mesmo para que ela desse o ar de sua graça novamente. Competentíssima atriz que é, ela consegue fazer do “limão uma limonada “como poucos, roubando a cena independente do espaço que tenha nela, seja em momentos tensos com a expressividade de seu temor no cativeiro ou quando assume o controle para burlar o painel de controle da cela (A olhada dela a Sam quando tira o canivete de sua mão, foi hilária, mesmo sem diálogos) com conhecimentos técnicos(!) mais que dignos da Mãe do profeta. Não o bastante, também se destaca pela força e determinação em não se prostrar a falta de esperança, tudo com naturalidade e eficiência verossímeis que fica difícil não apaixonar-se pela interpretação da atriz.

-“Você vai me levar até meu Filho. Lanterna!” Linda Tran
 
 

Mesmo ausente do episódio, Crowley é bem lembrado através da frustração de seu Del (James Immekus) o jovem “Demônio estagiário Nerd” que se destaca na interpretação do ator, por indignar-se tendo sido ordenado a proteger seus cativos e ter as “ligações” ignoradas, ironiza os discursos persuasivos o Rei, reproduzindo suas falas enquanto mantém Dean preso até ser encontrado por Sam.

Aliás, é gratificante ver mais costumes Old School da série cada vez mais resgatados como as ligações a moda antiga que Meg adorava fazer nos primórdios.No escritório celestial, Após inúmeras tentativas de convencimento frustradas, Bart ataca Castiel que se recusa a lutar e acaba matando Bart para se defender, enquanto isso, Sra Tran tens as honras de aniquilar seu “Carcereiro Algoz” em outra ótima cena consigo.

 
 
  
 

Foi tocante a emoção da Sra Tran ao reencontrar seu filho e descobrir o que o mantinha ali, apesar de parecer um equívoco não terem mostrado mais do encontro de ambos, é um bom sinal que indica que isso será melhor trabalhado adiante.

Tudo indicava que Malachi seria o responsável pela morte de Bartholomew e que esse empate perduraria por mais algum tempo e ele sequer ocorreu, mas a produção acertou na decisão já que isso torna tudo menos previsível e tal reviravolta muda a perspectiva de tudo o que estaria por vir adiante e foi uma surpresa muito bem-vinda Cass se tornar, ainda que involuntariamente, o novo líder de uma nova facção Angelical.

 
 
  
 

O encerramento também foi ótimo. Kevin podendo passar um tempo com a Mãe enquanto o Céu está fora de funcionamento é nada mais que justo e significa que os veremos novamente. O pedido do Profeta não poderia ter sido mais oportuno, pode ser o empurrão que falta para que ambos façam as pazes. Infelizmente toda a expectativa gerada pela promessa de ambos acaba frustrada com a reação de Sam que sequer dá a chance de uma troca de palavras, mas a batida de porta demonstra algo que vai além da indiferença da parte de Sam desta vez: Raiva.

 
   
  
 

A tensão do momento foi magistralmente representada pelo som visceral de “Lonely is The Night” de Billy Squier no Ipod de Dean como encerramento, já que o diálogo entre eles naquele momento não conseguiria fugir de outra e desgastante discussão tanto para ambos quando para o telespectador, nos deixando curiosos pelo empasse que certamente terá algum diferencial de ambas partes.

Por que Sam se entrega com tanta veemência a este ressentimento, uma vez que Kevin já o livrou do peso de sua morte e o irmão já fez de tudo para ser perdoado?
Qual será a postura de Dean diante disso desta vez?

Continua nos próximos episódios…
Se você ainda no viu o Episódio 
 
 

Comentarios do Facebook

admin

admin

Prazer, somos Hunters! Estamos desde 2008 atualizando este site com o intuito de criar um acervo virtual da série Supernatural, com compartilhamento de arquivos de forma simples, grátis e original ao alcance de todos . Sejam bem-vindos!

1926 posts | 355 comments http://www.sobrenaturalbrazil.com.br

10 Comemtários

  1. Anônimo says:

    A nona temporada está sendo uma das melhores, e esse episódio comprova isso. Os atores (como sempre) atuaram impecavelmente, Lauren Tom mostrou sua graça e talento e o retorno de Kevin foi excepcional.
    É bom que o conflito dos irmãos Winchester não esteja sendo o único foco da temporada, pois deixaria tudo muito repetitivo. Porém, (na minha opinião) a briga entre os irmãos não deve se estender muito, pois assim toda a série ia perder a essência, afinal, o lema é "Salvar pessoas, caçar coisas o negocio da família" e, com a briga entre Sam e Dean poucas pessoas estão sendo salvas, monstros já não estão sendo caçados e o negocio da família está acabando.

  2. Que episódio foi esse hein hunters!! Nossa, a temporada teve muitos episódios bons (como também nos mostra a audiência) mas pra mim, ESSE está no top 3 até agora. E a review tá fantástica também, realmente foram citados pontos mais do que relevantes para o desenrolar da temporada. Parabéns Harley!!

    • admin admin says:

      Muito Thank You Felipe!
      Bom contar com sua presença nos comentários do conteúdo do site. volte sempre. Fico contente que tenha gostado, nos empenhamos ao máximo para desenvolver conteúdo de Hunter para Hunters. E sim, foi um dos melhores mesmo. que continue mantendo o nível ou melhrando cada vez mais!

  3. Taiko Aranha says:

    Esse episódio foi um dos melhores da temporada. Normalmente, quando vejo um vídeo, às vezes eu pauso para ver umas coisas na net, depois retorno. São poucos os casos que isso não ocorre, só quando é um episódio muito bom que não acontece. Esse foi um caso. Também adoro a personagem Linda Tran, graças a atriz que é ótima. A direção desse episódio foi ótima, Jerry Wanek adicionado à minha lista de diretores favoritos.

    Müller

  4. Taiko Aranha says:

    Esse episódio foi um dos melhores da temporada. Normalmente, quando vejo um vídeo, às vezes eu pauso para ver umas coisas na net, depois retorno. São poucos os casos que isso não ocorre, só quando é um episódio muito bom que não acontece. Esse foi um caso. Também adoro a personagem Linda Tran, graças a atriz que é ótima. A direção desse episódio foi ótima, Jerry Wanek adicionado à minha lista de diretores favoritos.

    • admin admin says:

      Verdade Muller.
      Foi um dos melhores episódios da temporada e o melhor que ocorreu na direção foi que ela teve todo um toque especial com a perspectiva de Wanek como designer de produção que aproveitou ao máximo todos os elementos alegóricos das ambientações e cenários resultando numa bela fotografia, reparou? 😀

  5. Pessoal do Blog Sobrenatural Brazil, amo o site de vcs, só assisto ou faço download por ele.
    Amo muito esse seriado, os atores, diretores enfim, todo o pessoal responsável por Supernatural.
    Parabéns a todos vcs!

    • admin admin says:

      Obrigado Monny.
      Sempre nos empenhamos ao máximo para levar informações e desenvolver conteúdo constante e interessante para seguidores e leitores como você. O que achou do Review?

  6. Esse episódio foi mais que eletrizante, foi…emocionante!
    Quero ver muito eles fazerem as pazes, penso que a chave desse acontecimento ainda está com Kevin, o Profeta acho, ainda terá participação nos próximos episódios. A promessa que os dois fizeram ao Kevin, ( e todos concordam ) , é o ponto que possibilita a volta de Kevin à um novo episódio ou episódios.
    Acho que o Profeta dará ao Sam um tapão, digamos, só para ele acordar em relação ao Amor que o Dean senti por ele.
    No final, quem sabe, o Sam terá que fazer aquilo que o Dean tinha dito no episódio 9×13 " Se eu etivesse morrendo, vc faria a mesma coisa" .
    Talvez, Sam tenha que vivenciar essa situação, só para entender o que motivou Dean a fazer o que ele fez!!

    Viva Supernatural, série maravilhosa!!!!!

    • admin admin says:

      Realmente Monny. um dos melhores episódios da temporada.
      Infelizmente parece que ambos não conseguirão cumprir a promessa…
      Basta Sam ceder mais. o que acham?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.